Páginas

segunda-feira, 4 de julho de 2005

bolinha de papel

Sei que estou em falta com todos, que estou devendo visitas, mas não me abandonem!!! Eu ando numa correria de louca, estudando o dia inteiro escrevendo minha monografia.
Claro que não sou de ferro e saio a noite no fim de semana. Mas nem sempre...
Acredita que nesse sábado eu troquei o cinema e meu tchutchuco pelos livros? Pois é, falei pra ele que precisa dar uma "pega legal" na monografia, e nem nos vimos.

Hoje passei o dia inteiro concluindo meu capítulo II (para os curiosos de plantão: As habilidades psimotoras básicas para o aprendizado da leitura e da escrita). E terminei, agora!!!
Exatamente 23h05. Já enviei para a professora (por email, modernidade é isso aí).
E estou indo dormir, porque meu corpo inteiro dói.

E vou dormir sem visitar ninguém mais uma vez.
Prometo que à partir do dia 16, retribuirei as visitas em dobro.



Image hosted by TinyPic.comImage hosted by TinyPic.comImage hosted by TinyPic.com Image hosted by TinyPic.comImage hosted by TinyPic.com


Quando criança, por causa de meu caráter impulsivo,
tinha raiva a menor provocação.
Na maioria das vezes, depois de um desses incidentes
me sentia envergonhado e me esforçava
por consolar a quem tinha magoado.

Um dia, meu professor me viu pedindo desculpas
depois de uma explosão de raiva,
me entregou uma folha de papel lisa e me disse:
- Amasse-a!

Com medo, obedeci e fiz com ela uma bolinha.

- Agora - voltou a dizer-me
- deixe-a como estava antes.
É óbvio que não pude deixá-la como antes.
Por mais que tentei, o papel ficou cheio de pregas.

Então, disse-me o professor:
- O coração das pessoas é como esse papel...
A impressão que neles deixamos
será tão difícil de apagar como esses amassados.

Assim aprendi a ser mais compreensivo
e mais paciente.
Quando sinto vontade de estourar,
lembro deste papel amassado.

A impressão que deixamos nas pessoas
é impossível de apagar.
Quando magoamos com nossas ações
ou com nossas palavras,
logo queremos consertar o erro, mas é tarde demais.

Alguém disse, certa vez:
"Fale quando tuas palavras
sejam tão suaves como o silêncio".
(Autor Desconhecido)

Vi isso aqui e copiei.
Sei que tenho muito que mudar.
Sou muito coração, emoção total, e portanto, Às vezes sou muito grossa com as pessoas que menos merecem isso.

beijos

Nenhum comentário: