Páginas

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Rio 2016: Fim de semana bombou

Tive um fim de semana repleto de competições e foi bom demais. Mas me senti uma atleta olímpica, pois o que mais fiz nesses dias foi andar.

6a. feira, dia 12/08, fui com afilhado Hugo e minha irmã ver Ginástica de Trampolim feminina, que ele queria ver. Foi na Arena Olímpica, que fica no Parque Olímpico da Barra, que é lindo, bem organizado, mas é longe pacas (de Niterói, onde moramos). Usamos o bilhete olímpico e achamos que valeu a pena, foi tudo muito organizado e foi ótimo. A competição foi linda demais, tudo muito legal, e vimos o pódio, que é mega emocionante e nem tinha brasileira participando. Imagina ver um pódio do Brasil?






No sábado, dia 13/08, fui com Conrado para o Centro Olímpico de Tiro ver o Tiro Esportivo. Fomos e voltamos de trem e foi super tranquilo. Quando comprei esses ingressos, foi mais para conhecer o complexo e não esperava muito da competição, mas foi uma grata surpresa, pois vimos a final e foi super empolgante. Tinha um atleta dos Países olímpicos independentes e a torcida o adotou, então parecia que tinha brasileiro competindo. Era o o kuwaitiano Fehaid Aldeehani, mas o apelidaram de Bigode e foi uma farra só. Amei a experiência.






video
Olê olê olê olê Bigoode!

No domingo, dia 14/08, foi rodada dupla. Fomos para o Riocentro assistir Boxe e logo na ida encontramos o pugilista  Patrick Lourenço, que tirou uma foto conosco. Vimos luta de 3 brasileiros: Robenilson da Silva, Robson da Conceição ( Robson foi o que ganhou o ouro depois) e Michel Borges. E também vimos uma final, onde o uzbeque ganhou do colombiano, dentre várias outras lutas.












De lá fomos para o Parque Olímpico da Barra, ver Luta Livre, na Arena Carioca 2. Fomos com o cartão olímpico via metrô também.





O fim de semana olímpico foi cansativo (ir pra Barra de Niterói 2x em 3 dias, não é fácil. São 3 horas para ir e mais 3 horas para voltar), porém maravilhoso demais.


Beijossssssss
┌──»ʍi૮ђα

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Rio 2016: Futebol Feminino e Volei de Praia

Nossa 1a. competição olímpica foi o Futebol Feminino, no sábado, dia 06/08. Foi no Estádio Olímpico, que tá bem bonito, reformado. Fomos e voltamos de trem e foi bem tranquilo. Foi rodada dupla e vimos China 2 x 0 África do Sul, que foi muito bom. E Brasil 5 x 1 Suécia. Maior jogão, mega empolgante.


 Estação Central do Brasil enfeitada para os Jogos

 Da estação já se vê o Estádio olímpico (antigo Engenhão)


Por do sol lindo

Domingo, dia 07/08, fomos ver Volei de Praia, em Copacabana. Teve bateria da Beija-Flor, com direito a Mestre Sala e Porta Bandeiras e passistas. Foi muito animado. Os brasileiros Pedro e Evandro perderam para os cubanos, mas foi uma jogão, e eles lutaram até o fim. Fomos e voltamos de ônibus direto, e foi mega tranquilo. A região está toda linda, enfeitada. Uma festa!

 Copacabana está em festa, linda em cada detalhe

 Megastore dos Jogos em Copacabana

 Tava doida pra tirar foto nos anéis, mas fica lotado

 Olha a felicidade de ver os anéis na arena


A dupla brasileira: Pedro e Evandro




Beijossssssss
┌──»ʍi૮ђα

sábado, 13 de agosto de 2016

Rio 2016: ingressos e Boulevard Olímpico



A revolta com a roubalheira das obras para os Jogos Olímpicos foi embora e a torcedora e amante dos Jogos chegou, junto com a passagem da Tocha Olímpica no meu bairro. Comecei a ver os jogos de futebol pela TV (sempre começam antes) e a vontade de estar presente só fez crescer. Passei uma tarde na internet caçando ingressos que cabiam no bolso e que fossem no fim de semana, para ir com amore mio. Também comprei durante a semana para ir com minha irmã e afilhado e até para ir sozinha!







Acabei comprando ingressos para vermos: Futebol Feminino, Volei de praia, Tiro esportivo, Boxe, Luta livre, Luta greco-romana, ginástica de trampolim, maratona aquática e vela (vou fazer posts separados contando a experiência).



Tá rolando o Boulevard Olímpico e fui conhecer na 5a. feira, dia 11/08. Fui com minhas amigas da faculdade na parte da tarde e passeamos bastante e vi a Pira Olímpica, que está linda demais.






Eu tinha psicólogo, elas foram embora, e na saída recebi mensagem da Ju dizendo que tava por lá e fui encontrá-la. Con foi direto do trabalho e ficou conosco lá. Fiquei apaixonada, tem várias atrações maneiras, vale a pena ir.




Pira de dia:

video


Pira de noite:

video


Leia mais: Aos viajantes - Tudo sobre os Jogos Rio 2016qui, Cartão riocard dos Jogos, Metrô Rio, Ônibus intermunicipais, Aqui

Beijossssssss
┌──»ʍi૮ђα

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Tocha Olímpica no meu bairro

Quem me conhece há tempos, sabe quanto amo os Jogos Olímpicos. E quem é meu amigo no face sabe o quanto estou revoltada com o rumo que tomou a preparação dos Jogos daqui. Resisti muito, não queria saber de nada, não comprei ingressos, queria estar bem longe de tudo. Aí a tocha chegou ao meu bairro e dois dias antes eu já estava eufórica para ver. O bairro ficou enfeitado para receber a chama olímpica e lá fui eu.



Fui com uns amigos da capoeira da Colômbia que estão aqui, e lá na praia encontrei outros dois daqui, por coincidência e foi maravilhoso. Vimos a tocha passar na praia, e eu tirei foto ao lado dela com um dos condutores (não conhecia nenhum deles) e fiquei igual criança quando ganha brinquedo novo.



Depois fomos para a rua lateral, onde vimos mais um pouco, e filmei o acendimento. Lindo!

video




Depois andamos mais um pouco para ver de novo num outro trecho do percurso. E vem uns caminhões tocando música na frente, é uma festa bonita e animada. Aí ela se foi do meu bairro, e a vontade era ir atrás.

video



A chama dormiu no centro da cidade e no dia seguinte, saiu do meu bairro de novo de barco, conduzida pelos iatistas e achei lindo, pois tinha sentido falta deles no dia anterior. Só nesse clube tem 9 medalhas olímpicas, 5 do Torben Grael. E foi lindo, conduzindo a chama no barco pela baía de Guanabara até chegar ao Rio de Janeiro, onde entregaram nas mãos do prefeito (que é meu patrão e detesto).


Agora bateu a louca e tô caçando ingresso para comprar. Aff!!!

Beijossssssss
┌──»ʍi૮ђα

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Livros: julho



Pela lente do amor: Ana vem de uma família muito rica de Londres, porém mora em Madri com sua amiga Nekane e ambas possuem um estúdio, onde Ana é fotógrafa e Nela é sua assistente. O prédio que elas moram pega fogo, e sua vizinha Encarna é salva por Rodrigo, um bombeiro lindo, e Ana se apaixona a primeira vista. Porém ela está grávida e ele é um galinha. Entre idas e vindas, muita confusão e diversão, os dois se vêem apaixonados, sem querer dar o braço a torcer. Até que o pequeno Daniel nasce e a ligação entre eles muda totalmente. Achei meio enrolão, poderia ser mais direto, mas é bom e rende boas risadas. Curti.

Sinopse: Ana Elizabeth troca o luxo e a riqueza da sua aristocrática família londrina pelas calles madrilenas, em busca do seu sonho: ser fotógrafa. Dona do seu nariz, ela monta com a amiga Nekane um estúdio fotográfico na capital espanhola e segue seu caminho de sucesso. No dia em que o prédio onde trabalham enfrenta um incêndio, Ana conhece Rodrigo, um dos bombeiros que atendem ao chamado da ocorrência. A troca de olhares aquece não só o corpo da fotógrafa, mas também seu coração e ela se entrega à inusitada amizade com benefícios que nasce entre eles. Apesar de cúmplices, um balde de água fria vai comprometer a liga dessa relação, quando Rodrigo um mulherengo de carteirinha descobrir que sua querida Ana está grávida de um turista suíço que passou por sua vida sem passagem de volta e de quem ela só sabe o nome. E o que dirá sua pomposa família quando souber que ela está grávida de um desconhecido e é amante de um bombeiro pobretão? Só a leitura do livro revelará!


12 anos de escravidão: Solomon era um homem livre, vivia em Nova Youk com sua esposa Anne e seus 3 filhos (Elizabeth, Margareth e Alonzo), quando, aos 30 anos de idade, foi drogado e sequestrado e vendido como escravo. Indo viver nas áreas pantanosas, trabalhou na colheita de algodão e, às vezes, na de cana de açúcar. Foi açoitado e viu muito sofrimento e companheiros de senzala morrer. Ele teve a sorte de contar com a ajuda de Bass, um homem branco que resolveu o ajudar e, 12/anos depois, ele.conseguiu voltar pra casa. Triste. Li intercalando com outros livros, para dar conta de tanta falta de humanidade.

Sinopse: A obra que originou o filme 12 Anos de Escravidão retrata a história de Solomon Northup, um homem negro nascido livre nos Estados Unidos, que após ter recebido uma falsa proposta de trabalho, foi sequestrado, drogado e comercializado como escravo, e passou doze anos em cativeiro, trabalhando, na maior parte do tempo, em uma plantação de algodão na Louisiana. Após seu resgate, Northup, com uma escrita simples e ágil, retrata os registros excepcionalmente vívidos e detalhados da vida de um escravo. Este é um dos poucos retratos da escravidão americana, redigido por alguém tão culto quanto Solomon Northup — uma pessoa que viveu sua vida sob a óptica de uma dupla perspectiva: ter sido tanto um homem livre como um escravo.


Duff: Bianca era o patinho feio e Wesley o bonitão desejado por todas as garotas da escola; eles não tinham nada em comum, até que a prof. de inglês os colocou para fazer um trabalho em dupla. Raiva, implicância e problemas familiares em comum os uniu. E virou amor. Adorei! Amo livros teen.

Sinopse: Bianca Piper não é a garota mais bonita da escola, mas tem um grupo leal de amigas, é inteligente e não se importa com o que os outros pensam dela (ou ela acha). Ela também é muito esperta para cair na conversa mole de Wesley Rush - o cara bonito, rico e popular da escola - que a apelida de DUFF, sigla em inglês para Designated Ugly Fat Friend, a menos atraente do seu grupo de amigas. Porém a vida de Bianca fora da escola não vai bem e, desesperada por uma distração, ela acaba beijando Wesley. Pior de tudo: ela gosta. Como válvula de escape, Bianca se envolve em uma relação de inimizade colorida com ele. Enquanto o mundo ao seu redor começa a desmoronar, Bianca descobre, aterrorizada, que está se apaixonando pelo garoto que ela odiava mais do que tudo.

Dois garotos se beijando: apesar de ter achado início chatinho e quase ter desistido, valeu a pena continuar. Conta a história de 8 personagens: Harry e Craig que querem quebrar o record do beijo mais longo e entrar pro guiness; Peter e Neil, que são namorados; Avery e Ryan, que estão se conhecendo e iniciando um relacionamento; Tariq, que foi agredido por ser gay; e Cooper, que se sente solitário e deprimido pela não aceitação da família. Alguns têm apoio da família, outros as famílias acabaram de descobrir. Mostra os sentimentos, medo, bullying, agressão por ser gay num sociedade preconceituosa. Muito bom.

Sinopse: Baseado em fatos reais e em parte narrado por uma geração que morreu em decorrência da Aids, o livro segue os passos de Harry e Craig, dois jovens de 17 anos que estão prestes a participar de um desafio: 32 horas se beijando para figurar no Livro dos Recordes. Enquanto tentam cumprir sua meta — e quebrar alguns tabus —, os dois chamam a atenção de outros jovens que também precisam lidar com questões universais como amor, identidade e a sensação de pertencer.

Então conheci minha irmã: Summer ganha de aniversário da sua tia Nic, o diário de sua irmã que morreu aos 17 anos, mesma idade que ela acaba de fazer. Ela conhece a irmã através do diário e descobre que ela não é tão certinha quanto sua mãe diz e tanto cobra que ela seja também. Ao mesmo tempo que descobre os segredos da irmã, também conhece seus pais melhor e se apaixona por seu melhor amigo. Tudo ao mesmo tempo e ão dá para parar de ler. Livro teen fofo. Adorei!

Sinopse: Summer Stetson não conheceu sua irmã. Sua mãe engravidou dela assim que Shannon morreu, aos 17 anos, em um terrível acidente de carro, que se chocou com uma árvore. Ao longo de sua vida, Summer acostumou-se a assistir seus pais repetirem o quanto a irmã era perfeita, amada e boa filha, e por isso sempre acreditou que fosse uma decepção para eles. Ao fazer 17 anos, recebe da tia de presente o diário que Shannon escrevia até o dia de sua morte. Ao ler aquelas páginas para saber mais sobre a irmã, acaba descobrindo alguns segredos, e a cada revelação, sobre a família e sobre si mesma, entende que a verdade pode ser, por vezes, dolorosa, mas nunca deixará de ser libertadora.



obs.: Se alguém aqui tiver skoob e quiser me adicionar, meu perfil é esse aqui.
obs.2:Alguns desses livros estão à venda no @michavendelivros.

Beijossssssss
┌──»ʍi૮ђα