Páginas

quarta-feira, 18 de janeiro de 2006

Poema de Mulher

Poema de Mulher
Que mulher nunca teve
Um sutiã meio furado,
Um primo meio tarado,
Ou um amigo meio viado?
Que mulher nunca tomou
Um fora de querer sumir,
Um porre de cair
Ou um lexotan para dormir?

Que mulher nunca sonhou
Com a sogra morta, estendida,
Em ser muito feliz na vida
Ou com uma lipo na barriga?
Que mulher nunca pensou
Em dar fim numa panela,
Jogar os filhos pela janela
Ou que a culpa era toda dela?

Que mulher nunca penou
Para ter a perna depilada,Para aturar uma empregada
Ou para trabalhar menstruada?

Que mulher nunca comeu
Uma caixa de Bis, por ansiedade,
Uma alface, no almoço, por vaidade
Ou, um canalha por saudade?
Que mulher nunca apertou
O pé no sapato para caber,
a barriga para emagrecerOu um ursinho para não enlouquecer?

Que mulher nunca jurou
Que não estava ao telefone,
Que não pensa em silicone
Ou que "dele" não lembra nem o nome?
Só as mulheres para entenderem o significado deste poema!


Já tinha postado esse poema no meu antigo blog, e recebi por email de novo e resolvi colocá-lo aqui.
Em negrito é o que me identico mais.

Chega de reclamar que tô sem PC. Viva a lan House!!!

Vi "A marcha dos pingüins" ontem. Só Con pra me fazer ver um documentário. É muito repetitivo, mas interessante. Achei a trilha sonora um saco. Con gostou... Os opostos se atraem?
Estamos fazendo 2 anos e 1 mês de namoro hoje. Tem foto no www.fotolog.net/trovoada e no buzznet tb.


Beijosss

Nenhum comentário: