Páginas

sábado, 28 de fevereiro de 2015

Livros e Filmes: fevereiro

Decidi juntar as postagens de livros e filmes do mês de Fevereiro, para não interromper muito as postagens do Chile, que estão programadas e vão até o fim de março, senão não ia acabar nunca. Mas quero deixar registrado cada dia da viagem, pois aqui é o meu diário e pode servir de dicas para outras pessoas que queiram ir também.




Se eu ficar: esse livro me perseguiu por livrarias, sites e afins. Onde entrava, lá estava ele me olhando. Me interessei, mas fui adiando. Até que vi a capa da continuação e não resisti. A narrativa do livro é interessante, aí fui lendo, lendo, lendo, e quando vi, já tinha acabado. Porém o final me deixou com a sensação de que faltava algo.

Sinopse: Depois do acidente, ela ainda consegue ouvir a música. Ela vê o seu corpo sendo tirado dos destroços do carro de seus pais – mas não sente nada. Tudo o que ela pode fazer é assistir ao esforço dos médicos para salvar sua vida, enquanto seus amigos e parentes aguardam na sala de espera... e o seu amor luta para ficar perto dela. Pelas próximas 24 horas, Mia precisa compreender o que aconteceu antes do acidente – e também o que aconteceu depois. Ela sabe que precisa fazer a escolha mais difícil de todas.

Para onde ela foi: curti a capa e quando vi que era continuação do Seu eu ficar, resolvi ler. Aí comprei logo os dois. Essa é contada por Adam, o então namorado Mia, na época do acidente. Fofo toda vida! Realmente faltava algo e agora tudo se completou e ficou perfeito. Amei!

Sinopse: Meu primeiro impulso não é agarrá-la nem beijá-la. Eu só quero tocar sua bochecha, ainda corada pela apresentação desta noite. Eu quero atravessar o espaço que nos separa, medido em passos não em milhas, não em continentes, não em anos , e acariciar seu rosto com um dedo calejado. Mas eu não posso tocá-la. Esse é um privilégio que me foi tirado.Com a mesma força dramática de Se Eu Ficar, agora pela voz de Adam, Para Onde Ela Foi expõe o desalento da perda, a promessa da esperança e a chama do amor que renasce.





Noivas em guerra: filme bem típico de sessão da tarde, previsível e tal, porém legalzinho. Gente, o que impressiona é que é verdade. Tem muita mulher que acha que casar é uma questão de honra, de competição e tal. Me fez lembrar algumas pessoas que não faço a menor questão de conviver.

Sinopse: Emma (Anne Hathaway) e Liv (Kate Hudson) são amigas desde criança, quando planejaram em detalhes como seriam seus casamentos. Um deles é importantíssimo: que a cerimônia ocorra no Hotel Plaza, o local onde os mais badalados casamentos de Nova York ocorrem. Agora, aos 26 anos, elas estão prestes a se casar. Mas um erro na marcação das datas faz com que elas coincidam, o que gera uma disputa entre as agora ex-amigas por quem fará a cerimônia no local sonhado.



Um bom partido: adoro esses filmes que envolvem esporte, sempre tem uma coisa legal, e esse é mega fofo. Gostei muito!

Sinopse: George (Gerard Butler) é um ex-jogador de futebol que, na tentativa de se aproximar do filho, passa a treinar a equipe juvenil na qual ele joga. Só que ele não consegue se manter afastado das mães dos colegas de seu filho, a quem vive dando em cima.







Anel de Fogo (Ring of Fire): Nem sabia da existência desse filme, quando resolvi entrar no Megafilmes HD pra procurar algo para ver e o encontrei. Resolvi assistir na hora. Claro que não é uma produção padrão Johnny e June, a dublagem tá uó, mas amei assistir. As músicas são lindas, a história é linda, continua sendo minha história de amor preferida. Ela foi uma guerreira. Sou apaixonada pelos pais dela, por serem tão a frente do seu tempo. Amei. Chorei! Mas me senti um pouco culpada por querer que fosse o Joaquim Phoenix e a Reese Whiterspoon interpretando-os.

Sinopse: Baseado no livro de memórias escrito por John Carter Cash – único filho do casal Johnny Cash e June Carter. Feito para a TV conta a trajetória de June, desde sua infância até seu turbulento, mas duradouro, casamento com o Homem de Preto. A ascensão de June a fama com o grupo The Carter Family, considerada a primeira família da música country, antes de se tornar bem sucedida em carreira solo. Mostrando de perto seus dois primeiros casamentos, a vida com as filhas e o afetuoso relacionamento com o filho, retrata o romance de June com Johnny Cash e o seu papel fundamental na vida do cantor.

Uma prova de amor: passou na sessão da tarde no meu dia de folta e não resisti. Com a menininha de pequena miss sunshine, já mocinha. Fofo toda vida e gostei da estória, bem interessante.. Gostei bastante.

Sinopse: Sara (Cameron Diaz) e Brian Fitzgerald (Jason Patric) são informados que Kate (Sofia Vassilieva), sua filha, tem leucemia e possui poucos anos de vida. O médico sugere aos pais que tentem um procedimento médico ortodoxo, gerando um filho de proveta que seja um doador compatível com Kate. Disposto a tudo para salvar a filha, eles aceitam a proposta. Assim nasce Anna (Abigail Breslin), que logo ao nascer doa sangue de seu cordão umbilical para a irmã. Anos depois, os médicos decidem fazer um transplante de medula de Anna para Kate. Ao atingir 11 anos, Anna precisa doar um rim para a irmã. Cansada dos procedimentos médicos aos quais é submetida, ela decide enfrentar os pais e lutar na justiça por emancipação médica, de forma a que tenha direito a decidir o que fazer com seu corpo. Para defendê-la ela contrata Campbell Alexander (Alec Baldwin), um advogado que cuidará de seus interesses.


Beijossssssss
┌──»ʍi૮ђα

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Chile - Dia 6: La Chascona, Cerro San Cristoban y Parque de las esculturas

No domingo, dia 25/01 pegamos o metrô e descemos na estação Baquedano, onde andamos 4 quadras e fomos a casa de Neruda na capital, a La Chascona, que é sede da Fundación Pablo Neruda e onde fica a biblioteca do poeta. Mais uma casa encantadora, cheia de história. Nessa casa fica a biblioteca do poeta e eu doida para ver. Ao entrar, logo deparei com o livro Teresa Batista, de Jorge Amado. Não estava lotada, pois na ditadura invadiram essa casa e quebraram tudo, destruíram muita coisa.



Também é na biblioteca estão os principais prêmios, como o Nobel de Literatura, de 1971, dentre outros, além de uma foto do Neruda com o Jorge Amado e outra com Vinícius de Moraes.
Eu na frente da biblioteca, com a porta aberta

Não podia ir embora sem comprar livro, toda casa dele tem uma lojinha ao final. Numa comprei blusa (pro meu irmão), noutra canetas (que não sairam na foto) e nessa, dois livros (uma autobiográfico do Neruda e outro da esposa Matilde, para conhecer a estória deles. Amo biografias):





De lá fomos ao shopping Pátio Bellavista para podermos comer, e o almoço foi sorvete, já que não estávamos com fome e tava um calor danado. O shopping é interessante, é a céu aberto (já que raramente chove por lá), as lojinhas são pequenas e o forte é praça de alimentação. Aproveitei para comprar um brinco de lapiz lázuli, a pedra nacional do Chile.





Na mesma rua que vai do shopping ao Parque Metropolitano, a Pio Nono, é cheia de bares, todos anunciando uma tal de Micheladas. Paramos e perguntamos o que era: cerveja com limão. Resolvemos experimentar. E na beira vem sal. Eu não curti muito, mas Con se amarrou (ele falou que em Manaus, onde ele morou uns anos, também tinha, só que com outro nome).


Depois fomos ao Parque Metropolitano de Santiago, uma área verde imensa no meio da cidade. Subimos de funicular e desembarcamos na estação do zoo.
O zoo é imenso, lindo, os animais ficam em áreas grandes, tem cara de bem cuidado e alimentados e os espaços foram projetados de modo a vermos bem e chegarmos perto deles. Marido, que ama animais, fica louco. Muito show mesmo!






Depois pegamos o funicular de novo, para subir para a estação cumbre. Descendo na estação, já nos deparamos com uma barraquinha que vende vários tipos de nuts, e compramos alguns até para levarmos. O visual é impressionante demais!!!



Continuamos subindo, e dá-lhe escadas para chegar à imagem da Imaculada Concepción, que pode ser vista de muitos pontos de Santiago, já que essa fica a 880 m de altura, no alto do Cerro San Cristóbal.




Não sei se a altitude ou o clima mega seco, ou os dois juntos, mas meu nariz ficava mega ressecado e sangrava, durante os 10 dias que estivemos lá. Lá pelo 3o. dia, já no desespero, resolvi aspirar água para lubricar o nariz. E assim fiz durante o resto do tempo, colocava um pouco na mão e inalava, dando tipo uma afogada. Era alívio imediato! Marido deu esse flagra aí, num cantinho na subida pra Santa, porque tava sinistro demais. hahahaha!!!


Na volta, descemos uma estação antes para pegarmos o Parque de las esculturas desde o início (ou fim, depende do ponto de referência) até o fim, que era exatamente em frente ao nosso hotel. É uma área verde super bem cuidada, com mais de 30 esculturas de artistas chilenos, algumas premiadas e tudo. Lugar ótimo para caminhar, sentar para ler um livro, passar o dia...




Nessa imagem embaixo a esquerda, agulha, ao fundo dá pra ver nosso hotel,
esse prédio branco mais a frente.


Leia mais: Meus roteiros de viagem - , Nerds viajantes - Cerro San Cristoban, Turista profissional - as casas de Neruda no Chile, Matraqueando - La Chascona e funicular, Regime militar do Chile, Governo de Pinochet, Governo de Pinochet

Beijossssssss
┌──»ʍi૮ђα

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Chile - Dia 5: Concha y Toro

No sábado, dia 24/01, ficamos a manhã em casa, aproveitamos para dormir um pouco mais e programar os passeios dos dias seguintes.  A tarde fomos para um passeio com a Turistik, dessa vez rumo a maior vinícula do mundo (são 68000 hectares só de vinhedo, e 109000 hectares no total), a famosa Concha y Toro. Ao chegar lá, entendemos porque toda a fama do lugar: é lindoooo!!!!



Fizemos uma visita guiada, que começa na plantação de uva, onde comemos uva tirada na hora do pé e vemos plantação de vários tipos de uva. Eu nem imaginava que tivesse tantos tipos.





Depois seguimos andando pela vinícula, onde conhecemos o processo de produção dos vinhos Concha y Toro e experimentamos três deles.



Dessa vez, amamos o primeiro, não curtimos muito o segundo e também adoramos o terceiro.


No final, tem uma lojinha para venda dos vinhos e outros produtos. Compramos uns vinhos para levar para casa e para dar para os nossos pais também.



Deixamos as coisas em casa e fomos para o shopping Costanera center, que ficava a umas 4 quadras do hotel, e é bem bacana, com bastante lojas legais. Fomos a esse shopping vários vezes, porque era muito perto, com muitas lojas bacanas, e como íamos exaustos depois de muito andar o dia todo, desbravamos uma ou duas lojas por vez. Dessa vez comprei dois casaquinhos leves na Forever 21, para levar nos passeios, pois alguns lugares era previsto fazer frio.




Leia mais: Matraqueando - Concha y Toro 

Beijossssssss
┌──»ʍi૮ђα

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Chile - Dia 4: Viña del Mar y Valparaíso

Após uma pausa para o carnaval, retomo com os posts do Chile (já estão todos prontos e programados) pois quero deixar registrado e também compartilhar, pode ser útil para quem pretende ir, assim como os posts que li em outros blogs nos ajudaram a fazermos nosso roteiro.




Na 6. feira, dia 23/01, fizemos outro passeio com a turistik, dessa vez rumo a Viña del Mar e Valparaíso, duas cidades próximas uma da outra, mas que são distintas. "Viña é moderna e Valparaíso tem história", foram as palavras do guia.




Nossa primeira parada foi no meio do caminho, numa doceria em Cucaravi, a Dulces Millahue, onde tem umas poucas llamas, umas flores lindas e doces típicos deliciosos. Parada rápida e pé na estrada.




Depois fomos direto para Viña del Mar, a cidade das flores. Paramos no relógio das flores e já me apaixonei pela cidade ali mesmo.




Fizemos uma pausa para andar pela praia, onde molhamos os pés no gelado mar do Pacífico, da Playa Acapulco e andamos um pouco pela orla.



Almoçamos no Casino Viña del Mar, uma comida deliciosa demais, e aproveitamos para jogar num caça níquel, já que nunca tinhamos feito isso antes. Achamos sem graça, eu que não sou fã de jogos mesmo, não achei nada demais.



Ainda paramos na Quinta Vergara, onde acontece os shows da cidade e rola o famoso Festival Internacional de la canción de Viña del Mar, lugar lindo, bem florido, colorido, como tudo na cidade das flores.




Depois rumamos para Valparaíso, que fica a 7 km de Viña e toma-lhe subida. realmente é totalmente diferente, porém tão encantadora quanto. Fizemos um tour a pé por suas ladeiras cheias de história, as casinhas coloridas, a vista impressionante para o mar. Não é a toa que foi declarada Patrimônio da Humanidade de Chile.




Paramos na casa do Pablo Neruda em Valpo (como é carinhosamente chamada pelos chilenos), a La Sebastiana, e o poeta tinha muito bom gosto para escolher a localização de suas casas. Fica muito no topo e tem uma vista divina.



Depois de bastante andar e apreciar as casas, as ruas, a arte e o visual, descemos pelo Ascensor Concepción, de 1883, um os mais de dez ascensores que existem em Valparaíso, e que eu achei bem legal. Amei!



Demos mais uma caminhada pela cidade para ver mais um pouco de suas ruas, que ainda tem ônibus elétrico, e pegamos a estrada de volta a Santigo, com o coração cheio de felicidade.

Leia mais: História de Viña del Mar, Patrimonio Viña del Mar, Fundación Neruda - La Sebastiana

Beijossssssss
┌──»ʍi૮ђα